Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.
Resistência e Consciência Negra no Brasil

Resistência e Consciência Negra no Brasil

Resistência e Consciência Negra no Brasil

O Brasil celebra o dia 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra, em homenagem a Zumbi dos Palmares, herói da resistência contra a escravidão e a discriminação racial no Brasil.Primeiro feriado brasileiro originário da mobilização do Movimento Negro.
2011 – Lei 12.519, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff, cria o Dia Nacional da Consciência Negra como feriado facultativo. Hoje, mais de 800 municípios brasileiros celebram o Dia Nacional da Consciência Negra. 2003 – Lei 1 0.639 institui a celebração do dia 20 de Novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, como parte do calendário escolar e torna obrigatório o ensino da História e Cultura Afro-Brasileira na grade curricular das escolas. 1978 – O Congresso do Movimento Negro Unificado determina o dia 20 de Novembro como Dia Nacional da Consciência Negra. 1971 – O Grupo Palmares, do Rio Grande do Sul, revela a data da morte de Zumbi, um dos ícones da República de Palmares.

 

Zumbi dos Palmares
O Líder Negro de Todas as Raças

1600 – Negros e negras fugidos de engenhos e fazendas na Capitania de Pernambuco fundam o Quilombo dos Palmares.
1630 – Os holandeses invadem o Nordeste brasileiro. 1644 – Tal como antes falharam os portugueses, os holandeses falham na tentativa de aniquilar o Quilombo dos Palmares. 1654 – Os portugueses expulsam os holandeses do Nordeste brasileiro. 1655 – Nasce Zumbi, em um dos mocambos de Palmares. 1662 (?) – Criança ainda, Zumbi é aprisionado por soldados e dado ao padre Antônio Melo, da Capitania de Pernambuco. Zumbi é batizado, passa a ajudar nas missas e a estudar Português e Latim. 1670 – Zumbi foge e regressa a Palmares. 1675 – Na luta contra os soldados portugueses comandados pelo sargento-mor Manuel Lopes, Zumbi revela-se grande guerreiro e organizador militar. 1678 – Pedro de Almeida, governador da Capitania de Pernambuco, propõe ao chefe Ganga Zumba a submissão do Quilombo, com a alforria para os quilombolas de Palmares. Ganga Zumba aceita. Zumbi é contra e resiste, por não admitir a liberdade apenas para alguns negros e não para todos. 1680 – Zumbi impera em Palmares e comanda a resistência contra as tropas portuguesas. 1694 – Domingos Jorge Velho e Vieira de Mello comandam o ataque final contra a Cerca do Macaco, principal mocambo de Palmares. Embora ferido, Zumbi consegue fugir. 1695, 20 de Novembro – Zumbi é preso e degolado em combate, defendendo seu povo e sua comunidade no Quilombo dos Palmares. 1710 – Palmares se desfez.

Quilombo dos Palmares

Quilombos eram comunidades estrategicamente encravadas em locais de difícil acesso entre matas, florestas e montanhas, onde os escravos e escravas que conseguiam fugir das prisões e das fazendas se refugiavam e formavam suas “Repúblicas Livres”, com populações variadas de dezenas a milhares de pessoas.
O mais famoso dos Quilombos foi o de Palmares, também chamado pelos escravos e escravas como a “Terra da Promissão”. Localizado na Serra da Barriga, na antiga Capitania de Pernambuco, hoje Município de União dos Palmares, no estado de Alagoas, Palmares chegou a contar com uma população de 30 mil pessoas.
Palmares, assim como todos os demais quilombos brasileiros, representa uma forma de resistência da identidade e da Cultura Africana no Brasil.
“A cada novo 20 de novembro, Zumbi se espraia, amplia o seu território na consciência nacional, empurra para os subterrâneos da história seus algozes, que foram travestidos de heróis.”
Sueli Carneiro

Resistência e Consciência Negra no Brasil

casa-negros1871 – Lei do Ventre Livre tornou livres os filhos de escravos nascidos a partir de sua promulgação.  1885 – Lei dos Sexagenários concedeu o direito à liberdade para os escravos e escravas com mais de 60 anos.  1888 – Em 13 de maio de 1888 a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea, encerrando a escravidão no Brasil. Aos ex-escravos foi dado o direito de deixar as fazendas em que trabalhavam, ou de continuar morando com seus patrões, como empregados e não mais como escravos. Muitos permaneceram nas fazendas como agregados, por não terem para onde ir.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15 e1615110745225


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/categoria-produto/revista/”]ASSINE AQUI[/button]

cópia de revista xapuri 80 WEB

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados como *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados