Pesquisar
Close this search box.

Feminicídio contra quilombolas está se tornando cada vez maior, diz pesquisa

Feminicídio contra quilombolas está se tornando cada vez maior, diz pesquisa

O assassinato de Maria Bernadete Pacífico, em 17 de agosto de 2023, traz à tona uma realidade invisibilizada em nosso dia a dia: o racismo e o machismo que sofrem as mulheres quilombolas.

Por Redação/Mídia Ninja

No documento Racismo e Violência contra Quilombos no Brasil, elaborado pela Terra de Direitos em parceria com a Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos (Conaq), há dados sobre as violências que os povos quilombolas vem sofrendo, e a maior motivação de assassinatos contra esses povos se dá por conflitos por terra ou em razão de feminicídios.

Os números não mentem

Nesta edição, o documento identifica assassinatos registrados nos quilombos entre 2018 e 2022 e mostra que, apesar dos homens serem as principais vítimas, percebe-se que as mulheres quilombolas têm sido mortas pelo fato de serem mulheres.

Imagem: Infográfico presente no documento “Racismo e Violência contra Quilombos no Brasil”, elaborado pela Terra de Direitos em parceria com a Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos (CONAQ).

Em dois episódios investigados, houve a morte de mais de uma pessoa quilombola. Tratam-se dos assassinatos de mãe e filho, mortos pelo padrasto em Pernambuco, e do assassinato de pai e filho, no Maranhão. Maria Aparecida da Silva, do Quilombo Conceição das Crioulas/PE, foi assassinada junto com o filho, Humberto Erick da Silva, em 2019. Crime cometido e confessado pelo marido de Maria e padrasto de Humberto.

A região norte foi a segunda onde mais ocorreram assassinatos (12,5%). Outro número vergonhoso para a região norte vem da Secretaria Nacional de Segurança: os registros de feminicídios no primeiro semestre de 2022 na região aumentaram em 75% se comparado ao mesmo período do ano anterior.

Os quilombolas: proteção da Amazônia

Foto: Bruno Kelly / Amazônia Real

O Brasil tem quase 5 mil comunidades quilombolas, e existe um grande número na região norte do país. Os quilombolas possuem uma relação muito próxima à floresta, usam as técnicas de agricultura familiar para adquirir sua alimentação. Também têm elevado nível de conhecimento sobre plantas medicinais além de preservarem a natureza.

De acordo com levantamento feito pelo InfoAmazonia, as taxas oficiais de desmatamento de 2008 a 2021 do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mostram que 99% dos territórios quilombolas estão com a vegetação preservada e criam escudos de preservação na Amazônia.

Por isso, é importante também lutar pela titulação e preservação dos quilombos e dos modos de vida da população quilombola, mas também é importante a implantação de outras políticas publicas que repensem os papéis de gênero dentro dos quilombos, assim como conscientizem sobre a violência contra a mulher. 

Fonte: Mídia Ninja. Foto de capa:  Unicef Brasil.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes