Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.
Strogonoff de brócolis, pamito e tofu

Strogonoff de brócolis, pamito e tofu

Strogonoff de brócolis, pamito e tofu

A alimentação, um dos maiores pilares da vida humana, assim como a respiração ou a exposição à luz solar, é tão frequente que se torna quase um gesto automático, involuntário, pouco pensado em nosso dia a dia…

Por Beatriz Haruka e Samuel Leão 

Contudo, sabe-se de seu papel na transformação do corpo humano, em sua própria destituição e restituição diárias, e frases como “Você é o que você come” buscam reacender essa consciência objetiva da comida. 

Em tempos nos quais a alimentação se torna cada vez mais industrial, feita para durar meses e circular ao redor do mundo, percebe-se um dos malefícios da globalização descuidada. 

Os povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos e interioranos em geral são referência em alimentação sazonal, seguindo as especificidades do ecossistema que os circunda, descobrindo os próprios corpos, a nutrição e a satisfação, em conjunto com a natureza. 

Apesar da beleza da alimentação regionalista, precisamos ter consciência das barreiras que hoje existem e da praticidade que foi dada aos alimentos englobados pelos “Ceasas” e pelo comércio em geral. 

Com isso em mente, preparamos uma receita simples, porém muito querida nacionalmente, aqui em versão econômica e vegana, sem o uso de ingredientes de origem animal. 

O tradicional Strogonoff, conhecido como um prato russo, mas que de acordo com a história mais aceita, foi criado por um chefe francês que trabalhou para uma importante família russa, os Stroganov, que acabaram batizando o prato: Strogonoff de brócolis, palmito e tofu. 

 

Ingredientes

 

1 pote de palmito 

1 brócolis 

5 tomates 

1 cebola 

5 dentes de alho 

200g castanha de caju 

1/2 ~ 1 copo de água 200g de tofu 

1/2 xícara de amido de milho 

Pimenta do reino 

Sal 

Páprica defumada 

Batata palha 

 

MODO DE PREPARO

 

  1. Retire o excesso de água do tofu com o papel toalha e corte em cubos. Em seguida, empane no amido de milho. 
  2. Unte a frigideira com óleo vegetal e distribua o tofu para que todos estejam em contato com a panela. Deixe dourar por 5 minutos, vire e deixe por mais 3 minutos. Reserve. 
  3. Para fazer o molho, coloque na panela a cebola e o alho e deixe dourar. Adicione os tomates, tampe a panela e espere reduzir. 
  4. Para fazer o creme de castanha de caju, bata no liquidificador as castanhas com a água por 5 minutos ou até ficar homogêneo. 
  5. Junte o creme ao molho de tomate e misture até incorporar tudo. Logo em seguida, tempere com sal, pimenta e páprica defumada. 
  6. Por último, junte o tofu, o palmito e o brócolis cozido. Sirva com arroz e batata palha como acompanhamento.
[smartslider3 slider=43]

Visualizações: 6

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA